Header Ads

Entrevista com Meia Geovanni

Bahia Notícias: Geovanni, você chegou ao Vitória depois de uma passagem no futebol dos EUA. Como foi essa experiência?

Geovanni: Experiência boa lá nos Estados Unidos. Era um sonho da minha filha, em primeiro lugar, morar lá e ficamos um tempo nos EUA, uns seis meses. Eles queriam renovar meu contrato, mas não entrei em um acordo e acertei com o Vitória. Isso pra mim foi muito bom, vestir a camisa do Vitória. Me sinto muito feliz. Minha primeira temporada aqui foi boa, pena que não ganhamos títulos. Estou muito feliz aqui.

Bahia Notícias: Na época, houve um interesse do Grêmio em sua contratação. Por que escolheu o Vitória?

Geovanni: Houve uma proposta do Grêmio, porém, eles ficaram de me dar uma resposta em tal dia, mas como já tinha dado a palavra aqui e esse dia venceu. Acho que o jogador tem que ir para o lugar onde as pessoas querem o jogador e aqui no Vitória foi isso. Desde o primeiro dia o interesse da diretoria foi muito grande, me ligava dez, quinze vezes por dia, e eu vi esse interesse. Eu fiquei muito feliz com o interesse, aquela motivação deles em me trazer para o clube. Então, isso falou mais alto e eu vim para cá.

Bahia Notícias: Logo quando chegou aqui em Salvador, você contou que seu primeiro clube na carreira deveria ter sido o Vitória. Como foi essa história?

Geovanni: Eu vim para a Bahia disputar uma Copa Gazetinha para um time de Timóteo, em Minas Gerais, e esse treinador tinha muito contato aqui no Vitória, e já estava praticamente programado de fazer um teste aqui no Vitória, no ano de 1994, mas por algumas coisas não deu certo. Meu pai falou: “Geovanni vai ficar perto de casa e meu sonho é que ele vá para o Cruzeiro”. Por pouca coisa eu não vim para o Vitória. Mas voltei algum tempo depois e para mim é um orgulho estar aqui no Vitória.

Bahia Notícias: Depois de um período de adaptação, você passou a assumir a responsabilidade do grupo. Perder o baiano foi um balde de água fria? Vocês esperavam?

Geovanni: Fizemos um bom Campeonato Baiano e como já disse: fazer parte de um grupo tão maravilhoso como aquele do baiano, com grandes jogadores, jovens, e em minha opinião, há muito tempo não participava de um grupo tão qualificado, como foram os casos de Mineiro, Esdras, Gabriel, Renié, Edson, e infelizmente não ganhamos. Foi duro e um baque muito grande. Como sempre falei com as pessoas e com minha família, foi um campeonato que há muito tempo não sentia uma tristeza como a perda do baiano. A última tristeza minha havia sido nas Olimpíadas (2000), onde com dois jogadores a mais, perdemos para Camarões, que foi uma decepção grande. Também teve o Mundial Interclubes, que disputei com o Cruzeiro, perdemos, e essa. São coisas que marcam nossa carreira negativamente, vamos dizer assim, mas creio que esse ano vai ser diferente, de conquistas.

Bahia Notícias: Foi pior que a eliminação em casa para o Botafogo-PB, já que o rubro-negro era o atual vice-campeão na competição?

Geovanni: Foi o baiano. Uma decisão dentro de casa, ganhando o jogo de 1 x 0 e sofrer a virada. É difícil. Quando acabou o jogo todos nós ficamos sem entender o que estava acontecendo. Infelizmente acontece no futebol e temos que estar preparados. Esse é um novo ano e temos que esquecer o que passou e pensar no futuro, com um 2012 melhor.

Bahia Notícias: Durante a Série B, houve uma irregularidade grande. Onde você, um dos mais experientes e respeitados do elenco, aponta o maior erro?

Geovanni: Em minha opinião foi o grupo que demorou um pouco a ajustar e na reta final o torcedor começou a confiar, nós jogadores também, e chegou um momento que eu falei: “Gente, chegou o momento das coisas começarem a dar certo”. Começamos a fazer bons jogos, pena que foi na reta final. O grande segredo este ano é começar desde o primeiro jogo do baiano bem. Já ficou uma boa base do ano passado e isso é importante. Todo time que mantém a base sai na frente. É claro que alguns jogadores saíram, bons jogadores, mas no futebol isso acontece. Bons jogadores também estão chegando e agora é montar o grupo mais rápido possível, ter entrosamento 100% para começar e terminar bem.

Bahia Notícias: O time precisava de mais juventude?

Geovanni: É difícil. Uma pergunta boa, porém difícil. No baiano, o grupo era jovem e muitas pessoas falavam que faltava experiência. No grupo do Brasileiro, era mais experiente e faltavam jovens. Então, quando você perde, algumas coisas acontecem. Já passei em grandes clubes e vocês vão ouvir falar o nome de muitos jogadores, assim como Elkeson, que saiu daqui e hoje é destaque no Botafogo. Anderson Martins saiu daqui e foi destaque no Vasco e já está fora do país. Wallace, do Corinthians. Vocês vão ver daqui a um tempo muitos jogadores sendo destaques aqui no Vitória e depois indo para outros clubes, porque a categoria de base do Vitória está de parabéns e tem revelado bons jogadores.

Bahia Notícias: Agora, falando naquele jogo contra o São Caetano. O que aconteceu para o time sofrer um revés em menos de cinco minutos?

Geovanni: Foi um baque muito grande. Aos 43 minutos do segundo tempo, uma falta. O cara bateu a falta mal batida, o jogador cabeceou de fora da área e acertou uma bola praticamente indefensável para Douglas: 1 x 1. Tivemos chances de virar o jogo e não viramos. No finalzinho tomamos o gol. Tem coisas que acontecem no futebol. Xuxa fez um gol legítimo. Ele estava bem atrás do zagueiro e o juiz anulou. Com 2 x 0 matávamos o jogo, porém foi anulado. Então, são coisas que acontecem no futebol infelizmente. Por isso que eu acho que deveria ter uma televisão para ajudar. Se fosse gol, tinha que validá-lo, porque às vezes se o gol do Xuxa fosse validade, talvez estivéssemos na primeira divisão. São coisas que acontecem e que precisamos tirar de lição para esse ano.

Bahia Notícias: O que achou da contratação do técnico Toninho Cerezo, que você conhece bem do futebol mineiro?

Geovanni: É um grande treinador e tem feito um bom trabalho onde passou. Aqui no Vitória, na passagem dele aqui, fez a melhor classificação no Campeonato Brasileiro. Ele chega para nos ajudar. O grupo aqui é muito bom e creio que esse ano, com a ajuda do Cerezo, nós vamos conseguir os nossos objetivos. Acho que esse ano o Vitória está mais focado, tem mais experiência, tanto nos experientes ou mais jovens, pelo que passamos em 2011. O torcedor espera isso: o título do baiano e o acesso. Creio que, com fé em Deus, esse ano vai ser diferente.

Bahia Notícias: Pensando no futuro, qual o principal foco do Vitória em 2012: Baiano, Copa do Brasil, Série B ou até mesmo as três competições?

Geovanni: Achei até um comentário nesta semana na televisão falando sobre o Vasco. O Vasco esse ano que passou perdeu a Copa do Brasil, perdeu o Carioca, lutou e continuou bem no Brasileiro e na Sul-Americana. O Vitória tem que pensar assim. Se tem três campeonatos para disputar, acho que não tem que abrir mão de nenhum dos três. Tem que ir atrás dos três, porque isso é fundamental. O Vasco fez uma das melhores campanhas dos times brasileiros esse ano, porque focou nas competições que disputou. Então, o Vitória tem que focar nas três competições e se ganhar todas, melhor.

Fonte: Bahia Notícias

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.